11 maio, 2010

A horrorosa seleção de Dunga

Arriscando perder meus minguados seguidores, insisto no tema.

Deixem que eu esclareça o que está em jogo nas críticas a Dunga. Não se trata de afirmar por meio delas que a seleção não pode ganhar, como se, ao final, caso a seleção sagre-se campeã, as críticas estivessem assim contrademonstradas. Não. Nem é também adequado pensar (com algum conformismo) que o descrédito pode ajudar na campanha. A seleção de Dunga reflete uma escolha, um modelo. Ela não é errada, porque não há nenhuma lista certa de jogadores a partir da qual podemos determinar as escolhas incorretas. A seleção de Dunga é criticável porque ela não reflete a tradição do nosso futebol e não contempla a alta qualidade dos nosso jogadores. Se vocês me perguntarem se o Brasil pode ser campeão, eu responderei que sim. Mas por que nós iríamos preferir, especialmente nós que tivemos e ainda temos craques de encher os olhos, um futebol defensivo, lento, burocrático, pouco criativo, à alegria e espirituosidade plasmada, por exemplo, no time do Santos. Será que é difícil entender por que o time dos Santos nos fascinou nos últimos meses? Será que é difícil vincular esse fascínio à relação mística que nós constituímos com o futebol?

Alguns dizem: a lista de Dunga é inadequada porque o Brasil fica sem banco. Ora bolas, sem banco e sem campo. Repito: ficará sobre os ombros de Kaká a exclusiva responsabilidade de armar? Robinho será o único a encostar nos dois laterais? Se Kaká fizer isso, ele se desloca do seu setor do campo e arrisca desfazer a já frágil e capenga transição defesa-ataque. Aliás, pra falar a verdade, essa função nem deveria ser desempenhada por ele.

No meio, o único jogador criativo é Kaká. Elano é um cabeça de bagre que, se Dunga permanecer no cargo, irá pra Copa de 2014, assim como Gilberto Silva veio para Copa da África. O resto, volantes defensivos com questionáveis poderes ofensivos e um trombador, Júlio Batista. Decisivos mesmo, se é que podemos chamar assim, Kaká e Robinho -- com alguma boa vontade: Luis Fabiano e Daniel Alves. Muito pouco para uma seleção brasileira! e, uma vez que quase todos são titulares, uma mudança tática radical não pode acontecer. As duas opções mais ofensivas do Brasil são 1) destacar Daniel Alves para o meio de campo; contudo, embora ele seja criativo e rápido, não é um meio de campo como Ganso, não sabe cadenciar, distribuir, organizar e pensar o jogo, 2) posicionar Nilmar e Robinho um pouco aquém de Luis Fabiano, alternando posições nos cantos da grande área, apoiando os laterais e transitando também pelo meio. Se você pensar direito, consegue com algum esforço montar um time mais agressivo e rápido. No entanto, para isso é preciso sacar algum dos queridinhos de Dunga: Felipe Melo, Gilberto Silva, Elano, Ramires, Júlio Batista. Uma formação ofensiva com essa só será vista no segundo tempo, caso o Brasil esteja perdendo numa partida mata-mata. E não será o bastante. É preciso dar entrosamento mesmo a um time rápido e habilidoso, se queremos que ele produza. Uma defesa bem postada não se deixa superar pela mera composição de bons jogadores, o talento individual pode sempre fazer a diferença, mas é temerário afiançar ao indivíduo a força ofensiva de uma equipe.

Se as seleções do resto do mundo não se destacam pelo bom futebol, uma coisa é certa, a maioria sabe marcar. O Brasil precisará sim de um bom ataque. A combinação de boa defesa e jogadas áreas já fez muitos campeões. A França nos desclassificou assim em 2006, embora Zidane estivesse em campo. A Itália foi campeã assim. O Brasil tem poder de reação, é capaz de mudar um jogo caso saia perdendo contra um time bem postado em campo? Duvido muito, mesmo com a sua melhor e mais ofensiva formação.

A seleção de Dunga é uma sucessão de equívocos táticos, um modelo de falta de visão estratégica, mas, o que não se pode perdoar é que ela seja uma figura infiel do nosso futebol. A menos que ele opte por escalar Daniel Alves no meio de campo -- o que amenizaria o caráter defensivo da seleção, embora não corrija os problemas estratégicos -- estaremos expostos, especialmente nas partidas decisivas, a um futebol burocrático que durante muito tempo nos desagradou na Era Dunga. Pra isso basta que qualquer adversário com mais de 2 neurônios assista os jogos da seleção e providencie uma marcação especial para Kaká e Robinho. O orgulho nunca custou tão alto ao futebol brasileiro. É bom lembrar que não é a ausência de um jogador que está sendo questionada, como em 2002, por exemplo. É a presença e a ausência de um bom número de jogadores, ou seja, não são as opções que incomodam, mas um modelo de futebol, retranqueiro, feio, acanhado. Depois de 4 anos, é muito provável que seja esse o futebol que estejamos prestes a ver. Se ele ganhar, tanto pior. É preciso lembrar que, no mundo de hoje, temos sempre que estar atentos para que o fraco não se sobreponha ao forte, o feio ao bonito, o prático ao artístico. Quero o futebol brasileiro, o título é consequência.

PS. Para não convocar Neymar e Ganso, o gênio Dunga alegou que eles eram jovens e inexperientes. Brincou na entrevista coletiva dizendo que havia comentado com Jorginho que eles deveriam chamar os seus próprios filhos, preparando-os assim pra Copa de 2014, numa ironia tão rasteira quanto o seu conhecimento de futebol. A essa altura, com o sangue já quente, eu retorqui do outro lado com dezenas de xingamentos. Se Feola tivesse pensado o mesm,o, Pelé não teria ido à Copa de 58. Anta!

Atualização - Dois links imperdíveis: Sócrates sobre a convocação da Seleção: "Foi uma porcaria". E o texto da Marília Ruiz: O "ordem e progresso" de Dunga. Pra que depois não digamos que sou só eu estou cornetando Dunga.

Um comentário :

Anônimo disse...

MEU CARO, ONDE ASSINO?/

DUNGA, O ASNO, O TROGLODITA QUE ASSASSINOU O FUTEBOL BRASILEIRO.....

QUE OS DEUSES DO FUTEBOL NÃO PERMITAM QUE ESSE TIME HORROROSO GANHE A COPA.....