15 fevereiro, 2009

O coração continua

Amigos, perdoem se o blog está às moscas. O carnaval paralisa tudo, espreme, dos dois lados, as bordas do calendário e imprime em tudo antes a urgência. Fiquei sem tempo. E durante, vocês sabem, ninguém faz nada e não posso quebrar a liturgia carnavalesca. Mas estava aqui numa noite reflexiva, após conversas com amigos, e então lembrei um poema de Drummond. Decidido a publicá-lo, descobri que já havia feito. A vida se repete. Incrível a capacidade que os poetas têm de roteirizar a vida do sujeito. A complexidade da existência reduzida a uma ou duas fórmulas que na simplicidade cifram tudo quanto é essencial. Talvez por uma razão já antecipada numa crônica de Vinicius de Moraes em que ele descreve um casal de jovens atracados, aos carinhos, em pleno parque:
São, na extrema juventude, a coisa mais antiga que há no parque, incluindo velhas árvores que por ali espapaçam sua verde sombra; e as momices e brincadeiras que se fazem dariam para escrever todo um tratado sobre a arqueologia do amor, pois têm uma tal ancestralidade que nunca se há de saber a quantos milênios remontam.
Eu tenho quase certeza de que já fiz referência aqui à crônica de Vinicius. Amor por entre o verde, parte de Para viver um grande amor, livro que sempre tive na cabeceira, desde moleque. A vida se repete -- então vocês vão me perdoar se eu repetir um poema que sempre fez muito sentido para mim, hoje especialmente.
Vamos, não chores. A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis carro, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o humour? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te, de vez, nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho.

Nenhum comentário :