20 fevereiro, 2008

Um parecer tardio sobre Tropa de Elite

Quando o filme foi lançado os comentários pulularam freneticamente e eu me abstive de produzir também o meu. Muita coisa boa foi escrita a favor e contra (se é possível colocar as coisas nesse patamar de simplicidade), por isso me senti confortável para silenciar. Agora, avançado o debate, diante da premiação do filme no Festival de Cinema de Berlim, resolvi expor brevemente meu parecer e, acima de tudo, comentar um post de Alon que encerra uma opinião algo confusa.

Meu juízo sobre Tropa de Elite é positivo -- mesmo aqueles que se posicionaram contra reconhecem os méritos da produção e as boas atuações, em especial a de Wagner Moura. Ponto para ele. As divergências estão localizadas na sua temática e na condução. O argumento fascista grassa sem reservas, agora endossado pela autoridade da revista Variety. A idéia de que o filme é uma espécie de "a celebração da violência pelo bem" importa de um identificação maniqueísta que atribui às autoridades policiais a condição de defensores do bem e perde, por isso, a dimensão crítica que ele elabora. Examiná-lo com as lentes do bom e do mau é incorrer no equívoco que tem lhe rendido tão má reputação. O trunfo do filme está compreendido na representação do esgarçamento dessas relações binárias (bem e mal, mocinho e bandido) e na apresentação de uma dinâmica que não mais se inscreve no roteiro das prescrições institucionais, mas que se orienta segundo interesses que não se detêm mesmo diante da morte e da tortura. Quem vê nas polêmicas cenas de tortura o esquema mocinho-bandido está fadado a discordar dessa abordagem. O fato de o agente policial cometer atrocidades sob a pretensa licitude conferida pela condição de autoridade não o torna um panegírico da violação dos direitos humanos, mas um retrato de uma realidade mais comum do que se imagina. Se os cariocas se espantam com a ação dos agente do BOPE, imagina o que fariam se conhecessem a conduta de alguns componentes da Polícia Militar baiana.

Onde se localiza, no filme, a defesa desse tipo de comportamento?
Como ele se configura como celebração ao invés de representação?

É preciso lembrar que a atitude fascista é coerente com suas instituições, valores e idéias, não há defasagem entre as idéias professadas pelo fascismo e ação dos seus agentes policiais, carcerários, etc. No filme, ao inverso, o que está exposto é uma descompasso entre os princípios que emprestam legitimidade à instituição pública e a conduta que efetivamente é exercita em nome dela. Não existe violência pelo bem, mas violência pretensamente justificada pela autoridade -- é disso que ele trata. O foco narrativo centrado no personagem policial não garante a conivência com as suas atitudes, esse é um dos pressupostos dos que atacam Tropa de Elite.



Bem, minha pretensão aqui, conduto, não é defender o filme, mas comentar uma defesa que eu julgo equivocada -- apresentada no post de Alon intitulado Fora do cercadinho (17/02). Ressalvemos, antes, alguns pontos concorrentes:
Se se fizer um balanço de todas as críticas dirigidas ao filme, ele não foi acusado em nenhum momento de deficiência estética ou técnica. Nem foi dito que retrata uma realidade inexistente.
Essa opinião está em uníssono com o que eu digo acima. No próximo período, porém, as afirmações ganham dimensões extravagantes:
Tropa de Elite é mais uma prova da superioridade do realismo sobre escolas artísticas de inspiração subjetivista e abstrata.
Prova, como se sabe, depende de critérios e não pode ser mobilizada senão no lastro de enunciados que pretendam servir de base para sua afirmação. As conexões entre Tropa de Elite e a suposta superioridade do realismo sobre as escolas subjetivistas são obscuras, senão inexistentes. O que se segue a essa afirmação não é o seu esclarecimento, mas uma coleção de asserções pouco consistentes.
Tropa de Elite é o nosso Resgate do Soldado Ryan. E o José Padilha (na foto, recebendo o prêmio) é um Steven Spielberg, só que com menos dinheiro e fazendo filmes falados em português.
É assim que fica provada a superioridade do realismo? Qual é a relação entre essas afirmações e a afirmação precedente, quanto a superioridade sobre a suposta superioridade? Nenhuma. Aqui, as referências têm somente peso retórico. Segue o comentário:
Se Machado de Assis tivesse produzido em inglês, seria um Shakespeare.
A isso só posso responder convocando Álvaro de Campos:
Ah, quem escreveria a história do que poderia ter sido?
Será esta, se alguém a escrever,
A verdaderia história da humanidade.
Ora, deixemos de lado a poesia, qual é o sentido de tais afirmações, por que Machado de Assis precisaria ser Shakespeare? Qual é o problema das coisas como elas estão?
Bem, o filme não fica melhor por ter abocanhado o Urso de ouro. Só que num país como o nosso, de mentalidade colonizada, sempre é bom o cara obter o que aqui, sintomaticamente, é reverenciado como "reconhecimento internacional"
Como é possível que o argumento Shakespeare coexista com a opinião de que "num país de mentalidade colonizada é sempre bom obter o que é reverenciado como reconhecimento internacional"? Se o argumento referido é forjado para demonstrar que nossas produções culturais não devem nada às produções internacionais, mesmo na área da literatura, como é possível que ele se afirme mediante o estabelecimento de padrões de reconhecimento internacionais? Forja-se uma unidade internacional, uma moeda internacional, para avaliar o produto nacional. Não parece uma petição de princípio? Não vejo como pode ser benéfica à imagem de Machado de Assis a equiparação a Shakespeare a menos que se reconheça nessa, com antecedência, um padrão de excelência que pode ser transmitida ao escritor brasileiro. A melhor forma de afirmar nossa identidade é prescindir das referências externas, ainda que como recurso metodológico -- pois esse uso soa sempre como um tiro que saiu pela culatra. (O que não quer dizer, para antecipar possíveis réplicas, que essas relações não sejam funcionais, válidas ou operativas, digo apenas que elas não podem ser o fundamento da nossa identidade).
Tropa de Elite é um filme espetacular. É um Vidas Secas do Brasil urbano.
Longe de mim partilhar um certo autismo do Bruno Tolentino, contudo, não acho que seja algo proveitoso esse trânsito desavisado entre áreas e segmentos tão díspares. Vidas Secas é Vidas Secas, Tropa de Elite é Tropa de Elite, aprender a não confundir as duas coisas, saber o limite das analogias possíveis e dos usos prudentes, é tarefa de uma Educação sólida. Com todos os méritos que podem ser creditados a Tropa de Elite, nenhum deles torna menos danosa à obra Vidas Secas uma analogia semelhante.

Nenhum comentário :