16 fevereiro, 2008

Nassif e a Veja

Os artigos que Nassif tem produzido sobre a revista Veja deixaram a internet em polvorosa. Alguns apoiam, outros discordam, mas todos debatem. Eu não posso deixar de contribuir modestamente para a composição da base Google de referência para os artigos. Quanto mais links, mais fácil achá-los e mais pessoas os encontrarão a propósito de qualquer pesquisa sobre a Veja.

Um breve comentário faz-se indispensável, alguns dos que protestam contra os artigos insistem em lançar a técnica dardeje o autor para se desfazer dos embaraços produzidos pelos textos de Nassif. Já escrevi algumas vezes sobre esse modo leviano de argumentar e sobre as confusões que animam a relação entre discurso e autor.

Para os que alegam que há motivos pessoais envolvidos e sublinham a saída da Folha como suposta premissa para essa conclusão -- ainda que eu não entenda bem a relação de uma coisa com a outra -- eu sugiro que leiam a declaração de Octávio Frias Filho sobre a saída de Nassif publicada no seu blog no dia 12/01/08, sob o título de Razões da saída de Nassif da Folha. Infelizmente o sistema de links permanentes da IG deixa a desejar, é preferível procurar nos arquivos do blog, pela data. Transcrevo aqui uma parte do que foi publicado:
"A interrupção da coluna do jornalista Luís Nassif na Folha, ocorrida em julho de 2006, deveu-se às renovações que periodicamente o jornal procura promover. Nassif manteve a coluna diária sobre assuntos econômicos por mais de 15 anos. Tanto ele como a Folha convieram que era tempo de mudanças. A fim de se dedicar a seus empreendimentos pessoais, na mesma ocasião Nassif deixou o Conselho Editorial do jornal", explica Otávio Frias Filho.
Vamos admitir agora que de fato Nassif é movido por interesses pessoais, como isso altera aquilo que está exposto em seus artigos? Como a verdade do que se encontra lá perde força por conta das qualidades ou intenções do autor? De forma nenhuma. Os ataques ao autor apenas desviam a atenção do essencial, pressupõem a subordinação do discurso à natureza e intenção do autor e deste modo pretextam um terreno subjetivo de investidas pessoais -- ou seja, ensejam atalhos.

Mais uma vez sugiro a leitura dos artigos, ainda que pra discordar -- do texto, não das intenções e qualidades do autor.

Nassif analisa o itinerário da Veja

Nenhum comentário :