16 janeiro, 2008

Mais um fuzilamento

Ao saber da morte por espancamento do menino Dênis no pré-carnaval de Recife, não pude deixar de lembrar do conto de Clarice que conheci através da entrevista sugerida numa publicação anterior. Antes disso, aventara escrever brevemente sobre a diferença entre a imagem do criminoso apresentada no conto e a forma geral que distinguimos nas ocorrências dos nossos dias, de modo a traçar uma significativa mudança na matriz da criminalidade e da relação da sociedade com os criminosos. Contudo, diante dessa notícia, senti uma espécie de letargia, para ser honesto, afasia talvez seja a palavra adequada. O sentimento de que tais considerações são, agora, de pouco valor. Faço melhor destacando o momento mais contundente da escrita de Clarice sobre a execução do criminoso Mineirinho. Não é excessivo relembrar que o garoto Dênis, ao contrário de Mineirinho, não era criminoso -- o que dá ao caso feições ainda mais grotescas e terríveis. O desfecho do conto é desconcertante e substitui com larga eficiência e força tudo eu que imaginei poder dizer.
Sobretudo uma justiça que se olhasse a si própria, e que visse que nós todos, lama viva, somos escuros, e por isso nem mesmo a maldade de um homem pode ser entregue à maldade de outro homem: para que este não possa cometer livre e aprovadamente um crime de fuzilamento. Uma justiça que não se esqueça de que nós todos somos perigosos, e que na hora em que o justiceiro mata, ele não está mais nos protegendo nem querendo eliminar um criminoso, ele está cometendo o seu crime particular, um longamente guardado. Na hora de matar um criminoso - nesse instante está sendo morto um inocente. Não, não é que eu queira o sublime, nem as coisas que foram se tornando as palavras que me fazem dormir tranqüila, mistura de perdão, de caridade vaga, nós que nos refugiamos no abstrato. (grifos meus)
Clique aqui se quiser ler o conto inteiro Escolha a opção Salvar link como... para salvar o arquivo txt em seu disco rígido.

Nenhum comentário :