19 outubro, 2007

O objetivo da pedagogia

Uma amiga enviou-me um fragmento de A montanha mágica. Minha memória, claro, não recuperou a passagem destacada, mas reconheceu o embaraço que então me assaltava na escolha entre um dos dois personagens, Naphta ou Settembrini.
Mas se acredita que o resultado das revoluções futuras será a Liberdade, iludiu-se redondamente. O principio da Liberdade cumpriu o seu destino e gastou-se em quinhentos anos. Uma pedagogia que pretende ser ainda hoje a filha do Racionalismo e vê os seus meios formativos na crítica, na libertação e no culto do Eu, na destruição de formas de vida determinadas de um modo absoluto — tal pedagogia pode obter hoje ainda triunfos passageiros, porém o seu carácter atrasado é óbvio para os espíritos avisados. Todas as organizações verdadeiramente educadoras souberam sempre o que na realidade deve ser o último objectivo da pedagogia: a autoridade absoluta, uma disciplina de ferro, o sacrifício, a renúncia do Eu, a violação da personalidade.
Não posso deixar de concordar com Leo Naphta no que toca a esse tema. Todavia não comentarei minha opinião. Hoje, vocês já devem ter percebido, escrevo mais por ansiedade do que por inspiração ou tempo. Na verdade tenho obrigações inconclusas que não posso realizar até que ela vá embora, por isso entrego a vocês a tarefa de refletir sobre a afirmação acima. E lembro que, apesar de tudo, Naphta não se distancia do Iluminismo tanto quanto parece desejar.

Nenhum comentário :